A complexidade da área da saúde exige cada vez mais conhecimentos que vão muito além das habilidades e técnicas aprendidas nas universidades.

19
Jul
2017

As principais competências que um líder de saúde deve ter para encarar a complexidade do setor

Por: Marketing CBEXs

A complexidade da área da saúde exige cada vez mais de seus líderes um conhecimento que vai muito além das habilidades e técnicas ensinadas nas universidades. A saúde demanda muitas vezes uma abordagem intersetorial, que em alguns casos, sai da competência dos gestores da área.

Por esse motivo, é necessário que os líderes de saúde apresentem alguns atributos para que as suas práticas de liderança sejam eficazes, e saibam coordenar a prestação de serviços, gerenciar alta tecnologia e gerir os processos puramente administrativos.

A administração da saúde exige de seus executores, competências essenciais para seu fim. Então, confira os componentes e competências tidos como base para que o gestor possa enfrentar a complexidade da saúde:

  • Visão estratégica:o líder precisa ter visão de longo prazo e não ficar preso somente às questões imediatas. A liderança pode ter ação tática, porém jamais perderá a visão estratégica do negócio, pois dela depende o futuro da empresa;

 

  • Capacidade analítica:as grandes corporações contratam líderes para resolver problemas organizacionais e aproveitar as oportunidades do mercado. E isso requer capacidade analítica e pragmatismo acima da média;

 

  • Capacidade de liderar e inspirar pessoas:é importante saber como motivar as pessoas que fazem parte da sua equipe. Para isso, alguns passos são importantes, como permitir mais liberdade de expressão, delegar e dividir as responsabilidades sempre que possível com os colaboradores, desenvolver as habilidades dos colaboradores e dar o exemplo;

 

  • Criatividade: é preciso ser criativo, pois em determinados momentos os problemas só serão resolvidos disruptivamente ou fora da caixa;

 

  • Gestão de Pessoas:ter uma equipe de funcionários satisfeitos, felizes e motivados ajuda a trazer benefícios e melhores resultados às instituições de saúde. O gestor ideal deve treinar com eficiência novos colaboradores, recompensá-los de forma justa e motivar com intensidade toda sua equipe para alcançar as metas da empresa;

 

  • Conhecimento técnico da administração: é preciso ter noções básicas de finanças, epidemiologia, atenção à saúde, tecnologia da informação, assim como conhecer a gestão e as suas microferramentas;

 

  • Compromisso Social: na saúde o que move as instituições não deve ser o lucro, mas sim o objetivo da melhoria de vida das pessoas. A intenção é criar uma corrente entre os líderes e as necessidades do paciente;

 

  • Clareza dos objetivos a serem alcançados: os líderes gestores em saúde necessitam tornar claro para todos os profissionais da organização os objetivos a serem alcançados, pois todos devem estar alinhados com a visão da organização e a forma de lidar com os clientes. O líder deve dar a sua visão sobre a empresa, área e equipe e deixar claro aonde sua equipe vai chegar se houver empenho;

 

  • Reconhecimento dos fatores motivacionais na visão organizacional: o líder da área de saúde deve tornar clara a todos a visão organizacional, ou seja, para onde se pretende ir. E esta visão deve ter em seus elementos, parâmetros que indiquem às pessoas que terão suas necessidades supridas. A equipe precisa se reconhecer obtendo benefícios na visão a ser buscada para competir e agir em prol da missão;

 

  • Comunicação aberta e constante: o gestor deve se atentar aos fluxos e sistemas de informação que ocorrem dentro de sua organização, pelo fato de existir uma diversidade de formações e visões e a necessidade de haver uma comunicação estruturada, para evitar assim fofocas e mal-entendidos. Manter contato constante com a equipe demonstra zelo pelos resultados e compromisso em apoiá-los. Por meio do acompanhamento das tarefas, o líder observa possibilidades de melhorar os resultados da equipe;

 

  • Liderança transformacional: a equipe precisa ter confiança em seu líder e o ter como um facilitador e fornecedor de transformações. Esse paradigma na liderança de alta performance é eficaz na busca do trabalho em equipe, pois possibilita o alcance de resultados estratégicos e facilita a introdução de modelos assistenciais humanizados nas organizações de saúde. Um líder com este perfil, deve, por exemplo oferecer permanentemente feedback construtivo, oferecer medidas de desempenho desafiadoras, bem como incentivar os liderados a fixarem as metas que sejam representativas para eles;

 

  • Inovação: os processos de inovação fazem com que a prestação de serviços em saúde seja constantemente reformulada para a melhor satisfação do paciente. Com uma liderança aberta a mudanças e com espaço para a criatividade, o gestor terá a seu favor a expertise prévia da equipe sobre o tema como elemento importante nas mudanças organizacionais;

Desenvolver a capacidade de liderança permite a gestão profissionalizada das instituições de saúde e somente com a formação específica de gestores para a área, é possível desenvolver a gestão e liderança aplicadas à essa área. Conte com o CBEXs para o desenvolvimento da liderança especializada na área de saúde. http://cbexs.com.br/