Entenda os princípios que devem estar alinhados para um Programa de Compliance eficiente.

31
Mai
2017

A Ética e o Profissionalismo na formação de melhores líderes de saúde.

Por: Marketing CBEXs

Compliance, Ética e Cultura Organizacional são os princípios que devem estar alinhados dentro do segmento de saúde para a promoção do respeito, honestidade, integridade e transparência para com os pacientes. O líder, executivo da saúde, deve buscar ser reconhecido como referência em integridade, transparência e gestão, sendo considerado modelo de comportamento ético a ser seguido pelos seus liderados.

Este tópico ganhou reforço durante a edição de maio do Conexão CBEXs, cujo tema “Ética e Profissionalismo”, rendeu uma rica discussão com a participação de Andressa Swistalski, responsável pela área de Compliance do escritório Bichara e Motta Advogados e Eunice Alcântara, Diretora de Compliance & Ética na Bristol Meyers Squibb, além de integrante da Coordenação Acadêmica do Programa de Certificação em Healthcare Compliance, promovido pelo CBEXs.

O encontro para Fellows e associados do CBEXs teve início com a fala de Eunice sobre a Ética e os programas de Compliance, destacando principalmente os princípios fundamentais da área em questão, a ética médica e o contexto atual de Compliance por conta da grande necessidade de as empresas implementarem um sistema com esse foco, bem como as principais razões para o desenvolvimento de Programas de Compliance & Ética.

Ela ressaltou que um Programa de Compliance eficiente é estar de acordo com essas leis, esse posicionamento. O principal objetivo é lembrar que existe uma regulamentação cada vez maior em todos os países e uma demanda do cidadão buscando por mais transparência. ”É promover a cultura organizacional com conduta ética e compromisso com o cumprimento da lei, com base nos princípios morais, comportamentaiss e fundamentais: honestidade, justiça, igualdade, dignidade”, concluiu Eunice.

Para se ter um posicionamento estratégico com relação à integridade, Compliance e ética, é preciso ter um profissional, um líder responsável pela criação deste programa, que não seja apenas técnico, mas também entenda o mercado.

E o que se espera desse líder, em termos de ética?

No segundo momento do Conexão CBEXs, Andressa Swistalski, que é responsável pela elaboração do código de conduta do colégio para executivos de saúde, com lançamento previsto em breve e vai abranger todos os segmentos da cadeia executiva da saúde, ressalta que os líderes de área de saúde, devem inspirar os das outras áreas, já que têm a incumbência de dar o exemplo. Para isso, é importante manter uma conduta ética exemplar, tomar responsabilidade para si da importante missão que tem sobre os executivos da saúde.

“A percepção de liderança mudou, as pessoas precisam de mais do que apenas motivação. Elas querem um modelo a ser seguido para servir de inspiração”, ressalta ela, no sentido de enfatizar a mudança do paradigma em que as pessoas buscam profissionais éticos e exemplos de integridade e ética e a missão do líder de formar pessoas melhores, mudar o ambiente e dar uma contribuição para a sociedade, que está precisando cada vez mais de novas inspirações e líderes. “É importante construir muros altos em volta da nossa atividade e sermos exemplos como líderes para que os liderados preguem e levantem a mesma bandeira, para todos defenderem a cultura organizacional. “, reforçou ela.

Para saber se uma empresa é ética, a primeira coisa que olhamos é para o líder. Se o líder é ético, consequentemente a empresa também é, pois ele é a reputação da empresa. Para tal, os líderes devem permitir que as empresas cheguem aos resultados de forma legítima e de maneira a possibilitar que todo o time tenha a tranquilidade de saber que todos estão caminhando para o mesmo fim e que isso é feito da melhor forma possível.

Para finalizar, Andressa deixou um recado para os líderes: “Esteja preparado para as mudanças que já estão correndo, que vocês precisam acompanhar, precisam identificar como líderes. Identificar e fazer auto-análise é importante para identificar os pontos fracos para melhorá-los, pois os líderes são os modelos e os mecanismos de preparo para contribuírem com um país melhor.

O programa de Certificação em Healthcare Compliance do CBEXs

Eunice finalizou esta edição do Conexão CBEXs com apresentação de panorama geral sobre o programa de Certificação em Healthcare Compliance Lato Sensu promovido pelo colégio.

Vale ressaltar que o objetivo do programa é dar o caminho necessário para que os executivos de saúde possam entregar o melhor resultado ao paciente e de forma transparente e adequada. “A gente espera que com esta certificação e adquirindo estes conhecimentos, os executivos de saúde também sejam agentes da promoção da ética”, explica ela. Espera-se que eles possam ser modificadores deste conhecimento e tenham reconhecimento profissional por meio de uma certificação diferenciada para um profissional altamente qualificado, com bagagem, conhecimento e robustez, além de boas práticas de Compliance nas organizações.

A executiva destaca que dentro do planejamento do programa estão inclusos os estudos de mercado, estudos de Compliance aplicados à saúde e estudos complementares. O objetivo é realmente aprofundar o mercado da saúde para que esse profissional entenda os desafios do setor, modelos de governação, ética médica para as melhores práticas, bem como outros temas que são inerentes à uma atividade de Compliance.

A missão do CBEXs é formar executivos de saúde e o profissional de Compliance que atua em um hospital em uma clínica ou uma indústria de saúde, é um executivo de saúde, é um executivo de saúde. “Neste sentido, é objetivo do CBEXs fornecer este tipo de certificação para trazer estes profissionais para um nível mais elevado. A ideia é poder contribuir na formação destes profissionais de Compliance para que tenhamos executivos capazes de transformar as instituições na quais eles estejam. ”, finaliza Claudia Scarpim, Diretora Executiva do CBEXs.

Além disso, é importante promover a interação entre os elos da cadeia, pois o comportamento ético deve se dar no relacionamento entre indústria e operadores de saúde, indústria e hospital, hospital e operadora profissional, profissional de saúde e hospital. Por isso, é essencial que estes profissionais sejam de fato agentes de mudança e agentes transformadores, que vão promover mudanças de fato.

Para ter acesso a mais informações sobre o programa, acesse o site oficial.